Projeto comandado por Takeshi Yamagata reaproveitou o mobiliário herdado pelo morador

Ambientes amplos e integrados foram priorizados na casa de 90 m² | Fotos: Noboru Inoue e Koji Fuji.

O imóvel de 60 anos sem edifícios vizinhos, incomum para Suginami-ku, área metropolitana de Tóquio, foi renovado por Takeshi Yamagata. “A tia do morador disse antes de falecer: você pode destruir a construção, mas por favor salve e use os móveis e as portas, porque eles foram feitos com cuidado por um carpinteiro. Foi um pedido especial que o cliente me repassou”, conta o arquiteto japonês em entrevista ao Janela.

Por se tratar da reforma de um imóvel conhecido da comunidade, já que a tia do cliente era professora de música e dava aulas na sala de casa, necessitou de uma atenção especial. “Foi difícil transformar a construção em uma nova sem destruir a imagem do interior e do exterior da casa. Mas esse é o coração do projeto. Nesta renovação, foi importante olhar com cuidado para todos os elementos antigos.”

No terraço que faz a transição entre a sala e o interior da casa, telas “kamazado” permitem a entrada de luz natural e valorizam a circulação de ar. | Fotos: Noboru Inoue e Koji Fuji.

Uma das medidas tomadas pelo arquiteto foi integrar os ambientes internos, antes divididos em pequenas salas. A incorporação com o jardim que circunda o imóvel também foi outro ponto abordado no projeto. Para aumentar a circulação de ar, Yamagata usou telas “kazamado” – que consistem em malha branca imprensada entre molduras de madeira verdes – como janelas. O efeito da luz sobre o tecido cria cores e texturas que valorizam os móveis herdados pelo morador, mantidos no projeto de interiores. “Além dessas peças, escolhemos móveis japoneses e estrangeiros, como o sofá azul, a mesa de jantar e a chaise longue. Nosso objetivo foi criar uma casa com uma sensação de profundidade espaço-temporal, que só pôde ser possível assumindo a construção existente.”

A sala de entrada, antes utilizada para aulas de música, mistura mobiliários japoneses e estrangeiros. | Fotos: Noboru Inoue e Koji Fuji.

Peças novas e antigas se mesclam no décor, caso da mesa de jantar, comprada na reforma, e da luminária herdada. | Fotos: Noboru Inoue e Koji Fuji.

As telas “kamazado” também foram instaladas na fachada voltada para a rua, garantindo privacidade ao hall de entrada da casa. | Fotos: Noboru Inoue e Koji Fuji.

Resort na Costa Rica tem arquitetura e interiores inspirados no trabalho de Paulo Mendes da Rocha

O arquiteto vencedor do Pritzker em 2006 foi referência para uma das casas do Art Villas Resort

Tempero brasileiro em dois apartamentos em Portugal

Assinados pela carioca Andrea Chicharo, os apês em Lisboa mesclam o melhor dos dois países

Fachada de tijolos de vidro valoriza a iluminação natural nesta casa na Austrália

A Glass Book House leva a assinatura do escritório Sibling Architecture