Negação, por Shirlei Zonis

julho 2021 | Design, Arquitetura

Quando aquela cliente chegou cheia de certezas e uma vontade faraônica de modificar tudo, mas TUDO mesmo em seu espaço, demoramos a perceber que as modificações e obras projetadas estavam encobrindo a realidade insuportável de que aquele espaço já não tinha mais sentido. E a velocidade era apenas um meio de fazer retardar o entrar em contato com o fim de uma etapa da vida...

Confesso que tenho medo de colocar esse título no artigo. A palavra sempre me vem acompanhada por um certo calafrio. Recentemente temos sido reféns da prática da negação e podemos apontar rapidamente nossos algozes. Infelizmente são muitos, ou um só, não importa – são os culpados.

A ignorância bem ou mal-intencionada pode conduzir a um precipício mortal. E a ignorância por negação não é uma exceção.

Mas se formos falar de nossa mente, a negação ou negativa, como no famoso verbete freudiano, é uma prática que nos assalta sem nos darmos conta e, aliás, é exatamente aí que reside todo o sintoma – não nos damos conta… mas nem tanto.
E o pior, quase sempre negamos o que não suportamos encarar, o que nos apavora. E usamos todos os artifícios disponíveis para pôr em prática a nossa rejeição aos fatos ou à realidade. Mas o mais curioso é que, diferentemente da completa ignorância, algo ou algum lugar em nós já percebeu o que tentamos tornar invisível – sem saber, é claro.

Voltando à minha cliente: o seu ninho estava vazio, os filhos partiram em seus voos solo, e a casa que tinha um enredo de quatro personagens estava tendo que se adaptar ao novo script. É sempre muito difícil viver uma mudança assim.

Sabíamos que havia algo a mais no projeto, mas não soubemos qualificar o que, e só deciframos a charada quando, depois de pronto, ela veio comunicar que estava pondo o imóvel à venda, iniciando uma fase nova de viagens, “em trânsito”, como as palavras que usou – sem casa.

E que, o melhor de tudo, estava aliviada, como há muito não se sentia…e não se sentia porque negava.

Enfim, fomos instrumentos dessa negação, ao fazer um espaço que teve a função de não ser. Por outro lado, contribuímos para essa descoberta, essa revelação, que teve que percorrer alguns caminhos mais longos, mas necessários.
Deu tudo certo ao final, não é mesmo…?

olhshirlei

Shirlei Zonis

Arquiteta e autora do livro Arquitetura no Divã – a Quarta Dimensão do Espaço da Editora Olhares.

Do limão, a limonada, por Shirlei Zonis

Às vezes os apegos aos espaços e memórias podem representar uma dificuldade melancólica na vivência do luto, uma paralisação em algum ponto cego, que não permite nenhuma passagem ou nova vivência

diva_homel

Lar, por Shirlei Zonis

Podemos nos sentir em casa facilmente, a depender de memórias…

Limites, por Shirlei Zonis

Até quando precisaremos nos assustar, para sairmos do lugar da inação desesperançada?