A dupla formada por Anne Lacaton e Jean-Philippe Vassal arrematou o prêmio deste ano por suas obras que refletem “o espírito democrático da arquitetura”

Foto: Philippe Ruault/dezeen/ Reprodução/Casa.com.br.

Os arquitetos de habitação social Anne Lacaton e Jean-Philippe Vassal, fundadores do estúdio francês Lacaton & Vassal, foram nomeados os vencedores de 2021 do Prêmio Pritzker de Arquitetura, por seu trabalho que “reflete o espírito democrático da arquitetura” e seu “compromisso com uma arquitetura restauradora”.

Esta é a primeira vez que uma arquiteta francesa ganha o prêmio, sendo que Lacaton tornou-se a sexta mulher a ser laureada, desde que o Pritzker foi criado, em 1979. “Eles não apenas definiram uma abordagem arquitetônica que renova o legado do modernismo, mas também propuseram uma definição adequada da própria profissão de arquiteto”, disse o júri.

Fotos: Philippe Ruault/dezeen/ Reprodução/Casa.com.br.

“As esperanças e sonhos modernistas de melhorar a vida de muitos são revigorados por meio de um trabalho que responde às emergências climáticas e ecológicas de nosso tempo, bem como às urgências sociais, particularmente no âmbito da habitação urbana.”

Os principais projetos habitacionais do estúdio incluem a restauração de três blocos de habitação social no Grand Parc Bordeaux com Frédéric Druot, que ganhou o Prêmio da União Europeia de Arquitetura Contemporânea no ano passado, também conhecido como Prêmio Mies van der Rohe.

Conteúdo por . Leia a matéria completa.

Mulheres arquitetas que fizeram história

Elas enfrentaram discriminação e por vezes tiveram seus créditos roubados, mas pavimentaram o caminho para muitas jovens arquitetas

Casa NaToca apresenta lofts para hospedar amigos e família

Os ambientes foram criados para receber de forma especial os hóspedes da família de Pati Beck e Gustavo Zylbersztajn, moradores da Casa Mapu, onde a mostra ocorre de maneira virtual

Retrofit transforma antigo hotel carioca em residencial

A reforma vai criar 50 apartamentos no antigo Hotel Paysandu, além de prever espaços coletivos e uma área de lazer no rooftop, sem descaracterizar a arquitetura